Sábado, Janeiro 16, 2021
Atualidade Desportiva Destaques da Semana Quem sou eu

NBA 101 (1ª Parte)

Bom dia, bom dia, tudo bem? Acho que está na hora de falarmos um pouco sobre a NBA. Não querem? Problema vosso por que o blog é meu…Vá estou a brincar.

Sinceramente, penso que só tenho coisas boas a dizer sobre a NBA. Como desporto, pronto, é basquete de um nível superior ao que se joga no resto do mundo, mas como organização parecem-me incríveis. A maneira como lidaram com a questão da pandemia foi excecional. “Como? Tem um vírus? Então fecha tudo num resort e acabamos a época na mesma.” O apelo ao voto nas eleições americanas, a questão do racismo e até o consultarem a associação de jogadores (NBPA) mostra o quão bem estruturada esta organização é.

Mas se calhar estão aqui umas quantas pessoas a ler isto e a pensar “Bem mas eu só os vejo a fazer 1001 jogos e conferência Este para aqui, conferência Oeste para ali, mas que raio de campeonato é este?”

Calma, que o AI Nossa explica.

Em primeiro lugar, a NBA não tem propriamente equipas, tem Franchises, ou seja, tem negócios. Tal como uma Pizza Hut ou um KFC são um franchise e também as ditas equipas da NBA o são. O que quer dizer que quem as compra pode fazer o que bem entender com elas. Mudar o nome, a cidade como os Nets que mudaram de New Jersey para Brooklyn ou os Warriors que mudaram para San Francisco, entre muitos outros.

A NBA divide-se em duas fases. A fase regular, com 82 (!) jogos e os playoffs que tem 3 rondas mais a final da conferência. Por último, temos a final da NBA.

Confusão? O AI Nossa continua a explicar.

A liga divide-se em duas conferências, Este e Oeste, que jogam entre si e, no final da época regular, apuram oito equipas de cada conferência para os playoffs. Aqui, jogam entre si eliminatórias à melhor de 7 jogos até chegarem à final da conferência. Os dois vencedores de cada final de conferência disputam a final da NBA.

Toronto Raptors- Vencedores da NBA em 2019
Photo by Christian Mendoza on Unsplash

Aqui para esta introdução, faltam-me falar de uma das coisas que também gosto muito na NBA, e no desporto americano em geral, que é o Draft.

As transferências de jogadores são muito limitadas. Não é propriamente como no futebol que simplesmente pagam o passe do jogador e está feito. Cada equipa tem um número máximo de jogadores por isso se quiser contratar alguém, tem que libertar jogadores. O mesmo acontece com os jogadores jovens e estes não vêm da formação das equipas. Vêm da universidade. O desporto universitário nos estados unidos enche, literalmente, pavilhões e tem uma cobertura mediática enorme. As universidades recrutam os melhores talentos, com bolsas de estudo e os melhores são convidados (ou propõem-se) a participar no Draft da NBA.

O Draft é um mecanismo feito para permitir que haja mais competitividade na liga. No início de cada época, as equipas escolhem os melhores jogadores para os seus plantéis e a ordem de escolha é feita pela classificação da época anterior, ou seja, a equipa que ficou no último lugar, terá direito à primeira escolha no draft, de modo a que no ano seguinte possa ser mais competitiva. E eu acho isto muito bonito.

Bom, isto já vai um pouco longo, mas espero que vos tenha conseguido explicar mais ou menos como é que funciona a NBA. E volto já já porque a época está quase a começar e ainda tenho aqui umas coisas a dizer.

Similar Posts

Leave a Reply

%d bloggers like this: